quinta-feira, 29 de julho de 2010

Novamente Gláucia


Segunda-feira.
Levantei da cama e me espreguicei contente.
            Um novo dia!
            Lembrei feliz da noite anterior... Agora eu não estava mais sozinha, tinha Edu que me amava e que me ajudaria a cicatrizar as feridas que ainda doíam.
            _Ah!Finalmente levantou da cama!-Gláucia disse saindo do banheiro.
            Ignorei.Para ela até o meu silêncio era muito.
            _Mary, Mary... Você é tão tolinha! Mas confesso que sentimos sua falta. Sem você o colégio fica sem graça e não temos quem atormentar.Estou feliz que você esteja voltando!
            _Gláucia me polpe das suas idiotices.-disse tentando manter a calma.
            Ela riu alto:
            _Já tenho mil e uma ideias. Ainda não desisti de acabar com você! Você me desafiou e agora vai ter tudo o que merece.
            Continuei calada, não estava nem um pouco a fim de brigar com ela.
            _Mas Mary.. Conta pra mim, por que ficou tanto tempo trancada no quarto?Estava de castigo é?
            Eu olhei pra ela e forcei um sorriso, mas não respondi nada.
            _Não se preocupe Mary, eu já me encarreguei de contar pra todo mundo porque você estava sem ir na aula.
            Caminhei para o banheiro em silêncio e me tranquei la até que Gláucia saisse do quarto.A partir de agora seria assim, eu a ignoraria por completo.
            Estava com medo. Medo de que ela descobrisse que eu não estava mais sozinha e que agora tinha Edu... Eu tinha medo de que ela me tirasse Eduardo, não estava pronta para perder alguém tão especial pra mim.
            Quando sai do quarto Gláucia já tinha ido para o colégio.
            Isso era ótimo!
            Eduardo me esperava na porta da escola com um sorriso maravilhoso nos lábios.Assim que ele me viu veio em minha direção e me abraçou:
            _E então?Como passou a noite?
            _Muito melhor.-disse com um sorriso alegre.
            Eduardo riu e as meninas se afastaram.
            _Vamos sair hoje?-Ele pediu passando a mão no meu cabelo.
            _Tenho que estudar ... Esqueceu que tenho um vestibular para passar?
            Ele riu.
            _Então nos vemos na biblioteca a noite... para estudar, viu?-Ele disse  com um sorriso malicioso.
            Concordei sorrindo e fui estudar.


            Terminou a aula e fui direto para o cursinho.
            Gláucia estava la, mas me ignorava... O que pra mim era  perfeitamente maravilhoso, melhor impossível.
            A tarde pareceu mais enorme do que o normal, mas enquanto estava ali ouvindo os professores eu conseguia ficar sem pensar em André.
            Quando terminou a aula o céu já estava se tornando escuro, mais alguns minutos e a noite cairia por completo.Caminhei para casa tentando pensar apenas em Eduardo, mas não conseguia... André insistia em incomodar meus pensamentos e toda vez que eu pensava nele a dor que vinha ao meu coração parecia querer me sufocar.
            Estava chegando em casa tentando conter as lágrimas que vinham aos meus olhos ao lembrar de André, quando notei uma coisa diferente.
            Meu coração começou a bater forte.
            Encostada no portão, com os braços cruzados estava uma pessoa que eu não pretendia ver tão no cedo.


                                                                                                          Continua

segunda-feira, 26 de julho de 2010

O amor e o tempo


Para melhor entendimento, leia AQUI!!!

            Despedi de Edu no portão e entrei em casa.
            Minha mãe continuava na sala, dessa vez brincando com Carlinhos.
            _Ah, chegou né?-Ela disse com um sorriso malicioso.
            Eu não estava pronta para brincadeiras, muito menos para contar o que tinha acontecido, estava muito confusa.
            _Gláucia está no quarto?
            _Está não. Passou aqui rapidamente pra trocar de roupa e saiu de novo com Boby, já estou ficando preocupada. Ela não desgruda desse rapaz.
            _Ótimo.-disse rapidamente.-Quero ficar sozinha em meu quarto.
            A minha mãe começou a brigar, dizendo que não queria saber de eu me trancar no quarto de novo. Virei as costas e a deixei falando sozinha.
            Deixei que meu corpo caisse na cama e chorei.
            Estava preocupada, não podia ter ficado com Eduardo.Tinha sido maravilhoso e mágico, mas agora as feridas voltavam a doer.
            _Mary?
            Levantei a cabeça e olhei para minha mãe que sentou na cama.
            _Quer falar o que está acontecendo?
            _Ah mãe...-disse limpando as lágrimas.-Estou grande demais para ter colo?-perguntei me sentando.
            _Claro que não, querida. Não importa o quanto você cresça, sempre será minha menininha.
            Deitei novamente e encostei minha cabeça nas pernas dela.
            _E então?Vai me contar o que está atormentando minha menininha?
            _É o meu coração, mãe... Eu beijei o Edu, foi mágico, maravilhoso e eu queria que durasse para sempre... Mas eu não entendo o porquê das feridas voltarem a doer.-Precisava desabafar.
            Ela passou a mão nos meus cabelos me incentivando assim a falar.
            _Dói demais... Meu coração aperta e comprimi de dor toda vez que lembro que não posso ter André pra mim, mas eu achei que essa dor fosse passar...
            _Mary, minha filha. Você precisa saber que um amor não faz com que você esqueça outro, pode ser que ajude, mas não faz.
            _Mas mãe... Foi mágico, eu fiquei feliz quando estava com ele, no entanto quando nos despedimos a dor voltou de novo.
            _Vocês jovens querem que tudo aconteça no tempo de vocês. Não é bem assim, querida.
            Lágrimas quentes correram pelo meu rosto:
            _Tudo que eu queria era nunca ter conhecido André.
            _Sei... Agora me diz uma coisa, foi por causa desse André que você se trancou no quarto?
            _Foi...-Admiti com vergonha.
            _Ah Mary... Você ainda tem tanto que aprender sobre o amor.
            _Eu não quero aprender nada sobre o amor... Só quero que essa dor passe logo.
            _Ela vai passar.
            _E se não passar?
            _Com muito amor e um pouco de tempo, toda ferida pode ser curada.
            Abracei a minha mãe emocionada.
            Eu podia entender exatamente o que ela queria dizer, e era exatamente por isso que eu a amava.
            As feridas doíam agora, mas o tempo e o amor de Edu fariam com que elas se cicatrizassem e tudo voltaria a ficar bem.
            _Obrigada Mãe.Eu te amo.
            Ela passou a sua mão em meu cabelo:
            _Eu te amo sempre, minha filha. Não importa o que aconteça, estarei sempre aqui.
            Eu sabia disso, e naquela noite pude dormir sentindo sua mão acariciando de leve os meus cabelos.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Lágrimas inexplicáveis


Para melhor entendimento, leia AQUI!!!

            Edu se aproximou lentamente, ele estava deixando que eu me afastasse se quissesse... mas naquele momento tudo que eu queria era poder ter um pouco mais daquele silencioso olhar.
            Os seus lábios finalmente tocaram os meus e a única coisa que eu queria era eternizar aquele momento.
            Como foi maravilhoso! Não existem palavras que possam definir aquele momento... Era como se de repente eu não sentisse mais as minhas pernas e estivesse flutuando num infinito maravilhoso... Nunca tinha sentido nada mais maravilhoso, nem mesmo com André tinha sido tão encantador.
            Senti Eduardo se afastar lentamente, mas não conseguia abrir os olhos...
            _Desculpa Mary.-Ele disse com a voz rouca.
            Eu não conseguia dizer nada... Não sabia o que estava acontecendo comigo, nunca tinha sentido nada tão maravilhoso e envolvente.
            _Desculpa... Eu sei que não estava pronta.Por favor, não chore... Assim eu me sinto ainda mais péssimo!
            Abri os olhos surpresa e percebi que meu rosto estava banhado de lágrimas. Eu estava chorando!
            Com André o beijo havia acontecido depois de eu ter chorado, mas com Eduardo eu estava chorando depois do beijo.
            _Estou muito sensível ultimamente.-disse limpando as lágrimas sem graça.
            Edu me olhava preocupado:
            _Estou envergonhado Mary. Disse que ia esperar até que você estivesse preparada e agora olha o que eu fiz.
            Eu comecei a rir, ele me olhou ainda mais preocupado.
            _Edu! Você está entendendo tudo errado.
            _Estou?
            _Claro que sim. Eu amei o beijo.-disse me aproximando dele e beijando com carinho seu rosto.-Eu nunca senti nada mais maravilhoso, nem mesmo com André.
            _Então por que as lágrimas?
            _Eu não sei... Talvez sejam porque os meus lábios não quissessem se afastar dos seus... Eu  não sei, isso nunca aconteceu na minha vida e foi tão mágico pra mim!
            Eduardo me olhou e os seus olhos brilhavam.
            _Você está mentindo pra mim, Mary.
            _Claro que não seu bobo.
            _Tem certeza?
            _Edu!Para de duvidar e parte logo para o segundo beijo!-disse rindo. Ele obedeceu prontamente.
            A noite logo caiu, mas nenhum de nós dois tinhamos pressa.
            Deitamos na grama perto da lagoa, ficamos olhando as estrelas no céu e fazendo desejos para que aquele momento se tornasse eterno.

                                                                                                          Continua
-------------------------------------------------------
Oiee'
Estou atrasada com as visitas ainda, mas farei o possível pra ajeitar isso logo ok?

SelinhoO'
Esse selinho incrível eu ganhei da Pam Gonçalves do blog Princesa Mestiça. Obrigada Pam!!! * -*



Indico esse selinho maravilhoso para todas as super garotas que comentarem esse post.

--->> Comentem seobre esse post, ok? Quero saber o que acharam desse novo acontecimento!!!

Beijos, beijos.. Muitos beijos!!!!... E feliz dia do amigo!!!! =D

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Passeio no parque


Para melhor entendimento, leia primeiro AQUI!!!

            _Para onde vamos?-Perguntei quando começamos a andar.
            _Surpresa.
            _Ah, Edu... Fala logo.
            Ele riu:
            _Não vamos pra nenhum lugar especial, só vamos dar uma volta. Quero que você respire um pouco de ar fresco e veja como a vida é maravilhosa fora do seu quarto.
            Eu não pude segurar a risada:
            _Você fala como se eu estivesse presa.
            _Pois estava mesmo, presa em seu quarto.
            Eduardo segurava minha mão, ele ainda tinha medo que eu mudasse de ideia e saísse correndo. A questão é que andávamos na rua de mãos dadas, até pareciamos um casal de namorados.
            Depois de pouco tempo andando, chegamos no parque.
            Apesar de ser domingo não tinham muitas pessoas lá. Apenas algumas crianças brincando e alguns casais fazendo piquenique. Muitas pessoas arrumavam suas coisas e iam embora, já estava no fim da tarde e logo a noite cairia por completo.
            Sentamos num banco, um do lado do outro e ficamos olhando para o lago a nossa frente.Podiamos ouvir músicas românticas que vinha de um restaurante próximo dali.
            _Escuta essa música?-Edu perguntou sem me olhar.
            _Sim...-Disse depois de alguns minutos.-O que tem ela?
            Ele olhou para mim e sorriu:
            _Você não se lembra?
            Continuei calada tentando lembrar e ele então começou a cantar bem próximo ao meu ouvido.
             _"Tudo que eu preciso é de uma chance, de alguns instantes. Sinceramente ainda acredito em um destino forte e implacável, em tudo que nós temos pra viver e muito mais do que sonhamos.Será que é dificil entender porque eu ainda insisto em nós?Será que é dificil entender?Vem andar comigo. Vem, vem meu amor, as flores estão no caminho, vem meu amor, vem andar comigo."
           Sua respiração tocava de leve meus cabelos, sua voz doce chegava com uma melodia aos meus ouvidos e senti-lo tão próximo fazia com que minha respiração falhasse.
            _Eu lembro.-sussurrei.-Na festa do Halloween você me dedicou essa música.
            _Sim... Eu ainda acredito em nós dois, Mary. Lembra que eu disse que te esperaria?Eu ainda estou disposto a te esperar, vou esperar o tempo que for preciso, vou esperar até que você perceba que nascemos um para outro.
            Eduardo continuou falando, mas a minha mente voava para longe.
            Eu tinha treze anos de idade quando olhei para a minha mãe e perguntei:
         _Mãe, como posso saber se o menino me ama de verdade?
         Ela me olhou surpresa com a pergunta:
         _Por quê?Está gostando de alguém?
         _Tem um menino da minha sala que diz que me ama... Queria saber se ele diz a verdade.
         Minha mãe riu e passou a mão nos meus cabelos:
         _Se ele disser que te espera, é porque ele te ama.O verdadeiro amor espera o tempo que for preciso.
         Na época eu não tinha entendido muito bem o que ela queria dizer, mas agora eu podia entender perfeitamente.
            Eduardo tocou em meu queixo e olhou em meus olhos:
            _Eu poderia ficar o resto da minha vida assim, e não me cansaria... Amo ler o seu olhar, Mary.
            Eu sorri encantada.
            _O que você lê?
            _Isso eu não conto.-Ele disse sorrindo.-Mas se você  me disser o que vê nos meus... talvez eu te conte.
            Olhei naqueles olhos azuis e de repente não conseguia mais tirar os meus olhos dos dele.
            _Não me dizem nada... Só silêncio.-disse baixo, o suficiente para ele ouvir e mais ninguém.-Mas ainda assim, é o silêncio mais lindo e mais esclarecedor que já presenciei.
            Eduardo se aproximou lentamente de mim.
            Dessa vez eu não queria me afastar, estava hipnotizada pelo silêncio daqueles olhos azuis.



                                                                                      Continua
 -----------------------------------------------
Oieee!!!
Meus finais de semana têm sido uma loucura, por isso não consigo entrar no blog... ='(
Estou atrasada de novo com as visitas, mas farei um esforço para passar em todos os blogs hoje mesmo.

Selinho!!!
Quero pedir desculpas  a todos vocês pela minha demora em postar os selinhos, sei que estou muito atrasada... Mas postarei todos eles, nem que demore uma eternidade... Amo receber o carinho de vocês e fico sempre muito feliz pelos presentinhos a mim dedicados. =D

Vamos lá. O selinho de hoje, eu ganhei de Flau do blog Tudo...  Obrigada Flau pelo selinho!!!!


Indico esse selinho maravilhoso para todos que comentarem esse post... Então, comentou pode levar ok?

~~> Comentem esse novo capítulo!!!! Adoro saber o que vocês estão pensando!!! *-*

Mil beijos!!!! =**

terça-feira, 13 de julho de 2010

Saindo do quarto


Para melhor entendimento, leia primeiro AQUI!!!
         _Vamos sair, Mary?-Edu chamou depois que ficamos um tempo calados.
         _Não, Edu.Não quero sair.-Era bom estar ali com ele, seria bom sair um pouco e me divertir, mas eu não queria ver pessoas...
         _Mary... Qual o motivo de ficar trancada dentro do quarto?Você está sendo feliz assim?
         _Não, Edu, mas...
         _Mary... Esse cara te fez sofrer, mas isso não significa que a vida acabou.Você tem é que sair, conhecer novas pessoas, se apaixonar novamente, talvez até correr atrás dele e conquistá-lo, mas não ficar dentro do quarto trancada... Não faz nenhum sentido!
         Eu não pude evitar uma risada. Era estranho ouvir Eduardo falar aquilo.
         _Você riu!-Edu disse feliz.
         _Claro... Edu, se você me ama, então por que diz isso?
         Ele olhou para as próprias mãos e sorriu:
         _Porque prefiro ver você com outro, mas feliz. Eu não gosto de te ver assim... As vezes precisamos ficar tristes, para ver quem amamos feliz.
         Eu não podia entender tal amor. Eu amava André, mas vê-lo com Daisy me doía, eu prefiria que ele estivesse comigo.Em nenhum momento tinha pensado na felicidade dele...
         _Quando a gente ama Mary, a gente quer ver a pessoa amada feliz.
         Eu olhei séria pra ele, estava muito triste. Se isso era amor, então provavelmente eu não amava André, afinal eu não conseguia aceitar que ele não estivesse comigo.
         _Quero ficar sozinha, Edu.-Pedi.
         Ele ergueu as sobrancelhas e riu.
         _Não mesmo, Mary. Você já ficou uma semana sozinha nesse quarto, agora eu não te deixo sozinha por nada.
         _Edu, eu prometo que amanhã vou ao colégio. Hoje eu não vou sair, não adianta.
         Ele riu:
         _Não sai não é?Vamos ver.
         Sem pensar duas vezes ficou de pé e me puxou para si.Tentei entender o que estava fazendo e logo percebi que ele estava me pegando no colo.
         _Me solta, Edu!-Gritei.
         Ele me pendurou pelos seus ombros e começou a sair do quarto.
         _Edu, deixa de ser louco!-Pedi batendo em suas costas, mas ele não se importava.
         Minha mãe estava na sala assistindo tv com Carlinhos, para minha sorte Gláucia não se encontrava em nenhum lugar.
         Eduardo passou pela minha mãe sem se importar com nada, parecia até que tudo já estava combinado entre os dois.
         Assim que chegamos na rua, ele perguntou um pouco ofegante:
         _Posso te colocar no chão?
         _Já devia ter feito isso a tempo.-Falei fingindo raiva.
         _Se eu te colocar você promete que não vai fugir pra dentro de casa?
         _Prometo.-Menti.
         Ele me colocou no chão, estava preparando para correr pra dentro de casa quando Eduardo segurou forte em meus braços e riu:
         _Vamos passear.
         Eu o olhei e vi que nada o faria mudar de ideia.
                                                                                                                      Continua

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Desabafo


Para melhor entendimento, leia AQUI!!!

            _Eduardo?O que faz aqui?-Perguntei tentando entender.
            Ele fechou a porta e caminhou para perto de mim.
            _Não era bem isso que eu esperava ouvir de você.-Ele disse com um sorriso.
            _Edu... Que surpresa te ver!-Disse tentando sorrir, mas era completamente impossível.
            _Agora sim.-Ele se sentou na cama perto de mim e mordeu o lábio inferior.-O que está acontecendo com você, menina?
            _Nada...
            _Nada?-Ele balançou a cabeça negativamente e me olhou sério.-Definitivamente você não pode mentir pra mim, Mary. Eu vejo que você não está nada bem.
            Suspirei, fechei os olhos e escondi o rosto com as mãos.
            _Não precisa se esconder de mim, Mary.
            Ficamos alguns segundos em silêncio, eu não tirei as mãos do rosto.
            _Tem alguma coisa a ver com o rapaz da cidade do seu pai?
            Como ele podia saber?
            Tirei rapidamente as mãos do rosto e me sentei na cama.
            _As meninas te contaram o que?-Perguntei nervosa.
            _Nada, Mary. As meninas acharam que podiam mentir pra mim, mas não podem porque eu te conheço e sei que um resfriado não te deixaria uma semana longe dos estudos.
            _Ah, Edu...
            _Conta pra mim, Mary. Poxa, eu quero saber o que aconteceu  pra te deixar tão pra baixo.
            Lágrimas quentes correram dos meus olhos, sem pensar duas vezes Eduardo se aproximou de mim e me abraçou... Como era aconchegante e tranquilo estar em seus braço, eu não queria sair nunca mais dali.
            Ficamos abraçados por algum tempo, Eduardo nada disse. Ele sabia o quanto aquele silêncio era importante naquele momento.Depois de chorar algumas lágrimas, eu contei tudo pra ele.
            Contei todos os detalhes, contei do jeito que precisava contar e de repente me senti mais leve. Era como se tivesse tirado um peso de cima de mim.
            _Mary... Ah, Mary, esse cara é um idiota!-Eduardo disse olhando para o vazio.
            Eu nada disse. Agora era minha vez de ficar calada.
            _Puxa, tudo que eu queria era que você me amasse pelo menos um pouquinho do que você o ama. Pra mim, você não precisaria ficar sofrendo dentro do quarto  sozinha, não precisaria de nada disse... Você me amar um pouquinho seria suficiente... E ele, ele tem todo o seu amor, tem o poder de te trancar dentro do quarto, ainda assim, ele não soube aproveitar nem um pouco desse sentimento.
            Eu continuei calada, dessa vez não sabia o que dizer.
            _Ele não merece nada disso, Mary. E você não pode ficar se torturando, a vida continua.
            _Eu sei, Edu... Mas não encontro forças, eu traí uma amiga, eu perdi o amor da minha vida.
            _Não Mary... Não diga isso.
            _Mas é a verdade.-disse escondendo novamente o rosto.
            Eduardo passou as mãos no meu cabelo e com carinho me fez olhar para ele.
            _Mary, deixa eu te fazer feliz. Eu prometo que você não se sentirá cansada, nem entediada... Mary, eu farei de tudo para que você se sinta completa... Você não vê, Mary?Eu te amo, te amo como nunca amei ninguém.
            Os seus olhos olhavam para mim, mas eu não tinha coragem de olhar para ele... Não queria ver que ele também estava sofrendo, sofrendo por minha causa.
            _Desculpa, Edu. Ainda não estou pronta... As feridas são tão recentes e tão profundas... Eu tenho medo de amar de novo, tenho medo de sofrer tudo de novo.-Lágrimas correram dos meus olhos.-Não consigo mais ver um bom motivo para amar, não consigo...
            Eu chorei triste, estava muito angustiada. Eduardo me abraçou e novamente fez com que eu me sentisse mais calma.
            _Basta um toque teu, Edu e as feridas cicatrizarão... Eu sei disso, mas por que então tenho medo? Por quê?
            Ele me abraçou ainda mais forte...
            De repente todo aquela angústia foi passando e eu me senti tão forte nos braços dele. Sua respiração quente batia de leve no meu rosto e eu podia ouvir as batidas do seu coração.
            _Eu só preciso de um tempo, Edu... Um tempo para que as feridas parem de doer.
            Eduardo estava calado. Eu sabia que ele estava me ouvindo e sabia que ele estava me compreendendo.
            Estava tão bem ali em seus braços que poderia passar toda a minha vida daquele jeito.
            Eu  sabia que Eduardo poderia cicatrizar as feridas que André haviam causado... Mas eu tinha medo que com o tempo Eduardo fizesse como André e que elas voltassem a doer... Como eu podia confiar no amor depois de tudo?


        Continua...

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Uma semana... Escondida


          
          Uma semana se passou...
            Domingo.
Não tenho mais forças para escrever aqui tudo que se passa pelo meu ser...
            Nada tenho de mim mesma além da dor que está acabando com o meu coração e a vergonha... Não devia ter beijado André, estou envergonhada, estou fugindo de tudo e de todos.
            Daisy me liga todos os dias, são muitas chamadas não atendidas. Não tenho coragem de atendê-la, não posso dizer para ela que beijei o seu noivo... Não posso! Todos os dias são praticamente milhares de e-mails dela, Daisy parece desesperada, também deve estar louca para acabar comigo... Não tenho lido nenhum, deleto todos sem nem sequer abrir.
            Desde domingo não tenho saído mais do quarto. As mentiras e desculpas são frequentes, cada dia sinto uma coisa diferente... Dor de cabeça, enxaqueca, dor de barriga, tontura... Tenho inventado mil doenças para a minha mãe, que acaba cedendo e me deixando passar o dia trancada sozinha dentro do quarto. Coitada, tem estado preocupada comigo... Ah, se ela soubesse que a única doença que eu tenho é o amor!
            Não tenho ido ao cursinho, não tenho ido a escola...
            Também não tenho mais estudado.
            No meu quarto só recebo as minhas amigas Dako, Nane e Lipa.
            Fora isso tenho ficado completamente isolada.
            Gláucia não se preocupa mais comigo, ela quase não para dentro de casa e quando isso acontece, ela sequer olha pra mim.
            As meninas fazem de tudo para me tirar do quarto, mas eu não quero. Poxa, será que ninguém entende que eu não quero mais sair?Gosto de ficar aqui sem ver ninguém, assim me sinto protegida, só mesmo dessa forma para não me apaixonar de novo.
            Eduardo está preocupado comigo, pergunta todos os dias a meu respeito para as meninas, elas apenas dizem que estou resfriada e que voltarei logo para o colégio. Não quero que ele saiba o quanto estou deprimida e sei que se ele me olhar ele vai saber logo que não estou bem.Eduardo me conhece pelo olhar.
            Preciso desabafar... Todo esse fardo pesa demais sobre mim.
            Só contei para as meninas superficialmente o que aconteceu, mas não tirei de dentro de mim toda a dor que me sufoca e eu preciso fazer isso!
            Dako tem me ameaçado, disse ontem que da três dias para eu voltar pra minha velha rotina ou do contrário ela vai atrás do André.Eu sei que Dako tem coragem de fazer isso, por isso estou procurando forças para sair dessa cama... Mas não encontro.
            Não posso olhar para o meu futuro e não ver André.
            Não posso imaginar a minha vida sem a perfeição e os defeitos dele...
            Achei que fosse me recuperar fácil, que nem fosse doer tanto, mas como me enganei! Não sei nem como estou tendo forças para escrever aqui, talvez seja porque quero que todos saibam que se eu morrer agora, eu morri de amor.

            Estava deitada, olhando para o teto (isso tem se tornado uma rotina nesses últimos oito dias) quando alguém bateu na porta.
            _Quem é?-Perguntei preocupada.Não estava esperando visita, as meninas não podiam ser, elas já tinham avisado que não apareceriam domingo a tarde.
            Silêncio.
            _Que droga! Quem está aí?-Perguntei nervosa.
            Novas batidas na porta.
            _Não adianta meninas!-Gritei com raiva. Só podiam ser elas.-Nada vai me tirar dessa cama, podem ficar o dia inteiro batendo na porta, eu não me importo também!
            A porta se abriu lentamente e eu respirei fundo surpresa.
            Não eram as meninas.
            _Você vai sair dessa cama sim, nem que pra isso eu tenha que te carregar no colo!-Ele disse sério.

                                                                                              Continua
-------------------------------------
Oieee!!!!

Antes de qualquer coisa, quero fazer um pequeno esclarecimento. Nesse post, quando Mary diz "as meninas" ela se refere à Dako, Lipa e Nane... As amigas que moram na mesma cidade que ela, certo? Qualquer outra dúvida, me digam. Será um prazer ajudá-los.

Vou postar hoje mais um selinho!!
Esse eu ganhei de Marcella do blog Marcella Giroldo. Gente, passem lá no cantinho dela!! Ela é um amor e o blog é maravilhoso!! Tudo de bom!!!


Indico para todos que comentarem esse post!!! =D

~~> Comentem sobre esse novo capítulo... E então, o que me dizem da reação de Mary? E quem será  que está ali para visitá-la? Conte-me tudo!!!

Milhares de beijinhos!!! =**

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Cada mínimo detalhe


            Era impossível tirar da minha cabeça cada pequeno detalhe...
            E aos poucos tudo foi voltando lentamente... Lembrei com tristeza da nossa primeira conversa em que ele tinha dito que jamais se apaixonaria.

_É aliança de compromisso?
         _Sim... Estou namorando. –disse olhando para a mão.
         _Como é o nome dele?
         Pergunta estranha de se fazer, mesmo assim respondi:
         _Caco.
         Ele me olhou sério e depois sem conseguir segurar a risada, riu.
         _Eu sei que o nome dele é ridículo... Mas não tem nada a ver com ele.
         _Caco?Fala sério... Desculpa. -Ele pediu quando viu que eu não estava gostando nem um pouco da brincadeira.
         Não disse nada. Fiquei olhando pela janela e pensando em Caco.
         _Não quis te chatear Mary, mas também não da pra negar que é um nome bem estranho.
         _E você? Está namorando?-perguntei ríspida.
         Ele ficou calado, depois de alguns minutos respondeu.
         _Eu nunca me apaixonei, e não vou me apaixonar NUNCA.
         Senti meus olhos encheram de lágrimas, desviei os olhos rapidamente para outra direção. Meu Deus! Se ele soubesse... Quanto tempo o esperei... Quantas noites sonhei com ele... Ainda bem que mudei de cidade, do contrário estaria hoje sofrendo.

            Que ironia! Eu devia saber que acabaria me apaixonando por ele novamente...
            Com tristeza recordei da conversa que tivemos na sorveteria, André tinha avisado que só estava me fazendo companhia e que não estava me paquerando... Ainda assim, eu me apaixonei por ele e acreditei que fosse correspondida.

            A sorveteria já estava vazia quando André caminhou em minha direção e puxando uma cadeira sentou com a gente.
         _Tem alguma coisa pra fazer amanhã?-Ele perguntou.
         _Não, mas você tem né?Amanhã é domingo, a sorveteria deve dar muito movimento.
         Ele me olhou de uma forma estranha.
         _Mary... Acho que preciso esclarecer uma coisa.
         _Fala.
         Ele mandou Carlinhos ir escolher um picolé e então começou a falar.
         _Eu sei que você tem namorado, eu não estou te cantando Mary.
         _Eu não pensei isso. -Disse sentindo meu rosto corar.
         _Eu só estou querendo fazer você se divertir, você não conhece mais ninguém aqui... É só isso, não quero que você fique entediada.
         _Tudo bem, André. Se é só por isso, obrigada, mas não preciso que você faça esse sacrifício por mim.
         _Sacrifício?-Ele riu. -Claro que não. É um prazer estar com você.

            Como André tinha razão! Podia me lembrar do tédio em que mergulhei ao ficar sem sua companhia.
            Era impossível esquecer cada momento, pois tudo pra mim tinha sido marcante.

            Estava parada olhando para o céu quando André se aproximou:
         _Feliz ano novo, Mary!
         Olhei para ele e trocamos um abraço.
         _Pra você também, André!
         _Gosta de olhar o céu?-Ele perguntou quando me virando voltei a olhar para o infinito.
         _Adoro o céu. É perfeito.
         Ele apontou o dedo e sorriu:
         _Olha só, o sol está nascendo!
         Era verdade, o sol já se revelava.
         _Espero que possamos continuar amigos mesmo depois que você for embora novamente.
         Olhei para ele surpresa.
         _Por favor, Mary, não faça como da última vez. Não desapareça.
         Eu ri.
         _Pode deixar André, estarei sempre por perto dessa vez. -Prometi.

            Como era bom tê-lo por perto... Ele fazia com que eu me sentisse importante.Tinha prometido que estaria sempre por perto... Mas e agora?Eu tinha declarado meu amor, tinha beijado o noivo da minha amiga... Como poderia ficar sempre por perto?
            Tinha tido também a conversa do hotel... Ah, aquela tinha sido a mais marcante para mim.

            _Sabe, Mary, vou te dizer uma coisa agora, que mais ninguém sabe.
         Olhei para ele surpresa.
         _Quando eu perdi os meus pais, eu prometi a mim mesmo que jamais deixaria que as coisas saíssem do meu controle...
         _Mas você não teve culpa pela morte dos seus pais...
         _Não, não tive. Mas eu imaginava que não sofreria novamente se mantivesse o controle de tudo na minha vida. E estava dando certo, eu tinha tudo sobre controle, tudo acontecia exatamente como eu queria... Até que hoje eu vi tudo acontecer diferente, logo hoje que eu queria que fosse um dia perfeito!Logo hoje que eu estou com você.
         _Não podemos ter o controle de tudo na nossa vida, André.
         _Agora eu sei disso, mas eu achava que assim fosse me magoar menos. Desculpa Mary, eu sei que nada justifica a minha reação com você, nada.
         O olhei com um sorriso:
         _Ninguém é perfeito né?-Era um alívio para mim ver que ele não era tão perfeito...
         Ele riu.
         _E em relação a dormir na mesma cama com você, não é que eu não confie em você Mary, de forma alguma. Eu não confio em mim! -Ele disse sério, com a cabeça baixa.
         Eu fiquei calada, não sabia o que dizer.
         _Você sabe que é linda, né?
         Eu ri constrangida, mas nada disse.
         _Eu jamais me perdoaria se fizesse qualquer coisa com você.
         _Por quê?
         _Porque eu não posso me apaixonar e acabaria te magoando... Se é que você me entende.
         _Não, não entendo.
         _Não se pode manter o controle sobre o amor.
         Concordei com um movimento de cabeça e ele continuou:
         _Por isso que eu te disse que jamais me apaixonaria.
         _Mas André, não existe nada mais delicioso que o amor!Ele mantém a vida viva e colorida.
         André ficou de pé e sorriu:
         _Eu prefiro assim Mary, pelo menos por enquanto... E além do mais, você tem namorado não é?
         _Verdade.
         _Então eu prefiro ficar na varanda, vendo a lua e as estrelas. É melhor assim.
         Ele se aproximou de mim e me beijou no rosto:
         _Não deixe nunca de ser essa garota maravilhosa... Você é muito especial, Mary.

            As coisas então só começaram a complicar... Descobri que Daisy e André estavam namorando, e eu não conseguia entender os meus sentimentos por André.
            Depois tudo acontecera rápido demais, mas não tão rápido que eu não pudesse me lembrar.
            Dançamos juntos na festa de Daisy e André se mostrara tão distante dela e tão perto de mim.
            Foi inevitável não descobrir que o que eu sentia era amor...
            Não sei se conseguirei viver sem André.
            Ah, como dói saber que ele não pode ser meu.
            Por que inventaram o amor?Essa droga só faz sofrer!

                                                               =/ Decepcionada

----------------------------------------------
Olá pessoal !! Tudo bem com vocês?
Bom, ainda estou um pouco atrasada com a visita aos blogs, mas estou tentando ajeitar isso ok?

Estou cheia de selos para postar, mas ando muito preguiçosa ultimamente.. rsrs'
Hoje postarei um selinho muuuito delicioso...rsrsrs'  Esse selinho eu ganhei de duas blogueiras maravilhosas.. Ellen do blog Descolada in Japan e de Thaysa  do blog De Inverno a Verão.


A regra é:
** Escrever meus 5 maiores vícios:

1. Chocolate..rsrs
2.Internet (principalmente o blog)
3. Filmes \o/
4. Livros
5. Músicas
--> A ordem não altera os fatores..rsrsrs

Indicações:

Gente, sou apaixonada por chocolate, assim como sou apaixonada por muitos blogs, não poderia escolher apenas cinco. Por isso indico esse selinho para todos os blogueiros apaixonados por chocolate!! *-*


~~> Antes de terminar esse post quero matar uma curiosidade dos leitores. Muita gente tem perguntado pela Gláucia e pelo Caco. Vocês estão morrendo de saudades dos dois né? rsrs No momento, Mary está preocupada demais com outras coisas e por isso ela nem está lembrando desses dois... Mas logo, logo eles aparecerão de novo, eles não vão sumir não.rsrs

--> Comentem sobre esse novo capítulo, ok? A opinião de vocês é muito importante pra mim!!

Muitos beijos e por hoje é só... Até mais!!

Template by:

Free Blog Templates