quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

recados personalizados

Feliz 2010!!!Que esse ano seje um ano melhor para todos nós!!!
Agradeço por todos os comentários...
Que Deus ilumine cada dia mais a vida de cada um de nós e que possamos ser campeões!!!
Bjos

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Ciúmes


_Mary!Será que você pode, por favor, mudar de assunto?Você só sabe falar desse amigo oculto!-Caco reclamou pelo telefone – Eu já entendi que André te tirou e te deu um vestido perfeito e fotos lindas... Agora chega!-Sua voz estava alterada.

_Oh Caco!-Não sabia o que dizer.

_Desculpa Mary, mas nos últimos dias você não sabe mais falar de outra coisa.

_Eu que peço desculpas então, Caco. -Disse sentindo meu rosto corar, e acrescentei com sarcasmo - Vamos falar sobre o quê?Clima?O clima daqui está melhorando, continua chovendo mas o sol voltou brilhar.

_Mary, eu te amo e é muito doloroso para mim te ouvir falar tanto de outro cara.

_Caco! Eu te amo!- Disse sem conseguir acreditar que ele estava com ciúmes.

_Eu sei Mary, me sinto até um pouco envergonhado. E aí?Quais são os seus planos para a virada do ano?Parece que a festa que você e seu pai estão programando vai ser um sucesso né?

_Vai ser ótima sim. Estou tão ansiosa! E você?Já decidiu o que vai fazer?

_Estou tendo umas ideias, mas não sei ainda se vão dar certo. Segunda-feira, dia 4, eu vou para a mesma cidade que sua mãe está. Vou passar as férias lá.

_Sério? Que bom!

_Quer vir comigo?Eu te deixo na casa da sua tia e você faz uma surpresa pra sua mãe.

Era uma ideia tentadora, mas eu não podia decepcionar o meu pai.

_Melhor não, Caco. O meu pai já fez tantos planos para o mês de Janeiro, não vai ser justo com ele.

_Você quem sabe. Eu adoraria ir para a praia com você.

_Eu também Caco, e estou morrendo de saudades de você, dos seus beijos, suas maluquices, loucuras e inconsequências.

Caco riu, rimos juntos.

_Eu te amo, Caco. -Disse antes de desligar o telefone.

Como pude ser tão injusta e me esquecer do Caco?

Olhei no espelho e prometi pra mim mesma que não deixaria meu coração se enganar, o Caco é o homem da minha vida e ponto final.

Bjos

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Roda gigante e pôr do sol

Sexta-feira (25/12)

Vou contar resumidamente o que aconteceu no meu dia de natal.

O dia amanheceu perfeito, um pouco nublado, ameaçando chover.

Papai deu pra Carlinhos e pra mim uma bicicleta de presente, fomos nós três (pai, Carlinhos e eu) fazer piquenique.

Mamãe, Caco e minhas BFF ligaram. Foi ótimo, conversamos à beça!

Cinco horas fomos todos para o parque juntamente com o André, foi muito divertido.

O André queria ir na roda gigante só pra poder tirar uma boa foto do pôr-do-sol e me arrastou com ele.Confesso que me senti apavorada, estava lá no alto sozinha com um rapaz lindo e olhando o pôr-do-sol, romântico demais pro meu gosto.

Foi muito bom, seria ótimo se não tivesse começado a chover. Voltamos logo para casa e a chuva não parou até hoje, parece até que invernou.

Não vi mais André, estou passando esses dias de chuva dentro de casa, debaixo das cobertas assistindo um bom filme.

Não vejo a hora para chegar logo dia 31, estou ajudando papai a organizar uma festa e acho que vai ficar o máximo.

Bjos enormes!!!




Ps: Quero pedir desculpas pelo meu sumiço, mas é que estou com muita dificuldade de visitar em qualquer blog ( inclusive o meu), não sei o que acontece, mas a conexão não completa e diz que o site demorou muito para responder.
Ps²: Desculpa também por este post mal feito, ficou um pouco corrido, era para mim contar como foi no parque com Mary e André, mas como sexta já passou faz um tempão, o post ficou pobre assim.... ** Tânia

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Ceia de natal


Vesti um vestido vermelho, apesar de que fiquei parecendo um papai Noel...

Fui ajudar papai a recepcionar os convidados (os funcionários do restaurante e o André).

André estava simplesmente lindo, a barba estava feita, o cabelo cortado e uma camisa preta...

Começamos a revelar o amigo oculto, papai se ofereceu para ser o primeiro.

_Vou falar ao contrário. -avisou. –Tirei uma menina loira, muito preguiçosa que só sabe ficar dormindo, é branquinha, branquinha... É muito velha e é minha funcionária.

_André!

Alguém gritou. Papai riu:

_Acertaram, tirei você André.

André caminhou até papai e se abraçaram.

_Agora falando sério, gente. André é um rapaz muito trabalhador, que me ajuda muito todos os dias... É um filho para mim.

Batemos palmas e os dois se abraçaram novamente.

_Já que começaram falando ao contrário, também vou fazer assim. Eu tirei um menino loiro, de cabelo cacheado, baixo... Hum... Eu sou péssimo com amigo oculto. Então vou falar a verdade mesmo, vamos ver se vocês acertam. Eu tirei uma menina branca, de cabelos pretos e lisos, alta, é uma menina muito especial, é tão especial que eu fiquei apavorado quando abri o papelzinho... Tive que pedir ajuda de seu pai para comprar o presente. Faz poucos dias que ela chegou aqui na cidade, mas já faz parte da nossa vida faz um bom tempo.

_Mary!!!-Carlinhos gritou.

André sorriu e olhou pra mim.

Fiquei de pé, sentia minhas mãos suarem e os meus pés fraquejavam.

Ele abriu os braços e nos abraçamos. Eu tive a ligeira impressão de que meu coração iria sair pela boca.

_Eu espero que você goste. -Ele disse.

Abri o embrulho. Um vestido branco lindo, junto tinha uma caixa com bombons e algumas fotos minha que ele tinha tirado naquele dia...

O restante da ceia ocorreu maravilhosamente bem.

Na hora de ir embora, eu encostei perto de André e perguntei sem jeito:

_Você tem planos para amanhã?

_Hum... Amanhã é natal né?

_É, dia 25.

_Eu vou trabalhar, mas logo no final da tarde vou para o parque de diversão tirar algumas fotos... Vocês podiam vir comigo se não tiverem outra programação legal.

_É uma boa ideia. -concordei.

_Então fica combinado, antes de ir para o parque eu passo aqui, caso o seu pai não queira ir eu levo vocês... Isso é, se ele deixar.

Eu ri.

_Então fica combinado, amanhã 5:00, está bem Mary?

Concordei.

Ele me abraçou e me deu um beijo no rosto.

_Feliz natal, gatinha.

E foi embora.

Estou tão feliz, tão feliz!!!

Ele disse que faço parte da vida dele há um tempão... Foi tão bom saber isso!

Beijão!!!!

Feliz natal pra todo mundo!!!


quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Tédio

Depois de sábado à noite, não vi mais o André.

E cheguei à conclusão que ele tinha mesmo razão, sem ele eu entraria em profundo tédio.

Domingo: Passei o dia dentro de casa, logo à tarde começou a chover, ventar e a fazer muito frio. Fiquei feliz, já que sorveteria só vende em tempo de calor... Por consequência André não precisaria ficar lá e talvez fosse lá em casa fazer alguma coisa.

Troquei de roupa e esperei.

Esperei.

Esperei.

Mas ele não apareceu.

Queria tanto conversar com alguém... O meu pai não parava um minuto de brincar com Carlinhos, parecia até criança e eu estava sozinha dentro do quarto morrendo de vontade de bater papo. Mas ninguém entrou na internet, ninguém... O jeito foi tentar confundir o tédio e ir fazer alguma coisa, o que não funcionou.

Segunda: Amanheceu chovendo.

Papai preferiu que Carlinhos e eu ficássemos em casa, não teve outra opção se não obedecer.

Terça: Finalmente parou de chover.

Aproveitei para ir ao centro comprar o presente do meu amigo secreto (eu tirei o papai) comprei uma camisa e um livro, ele ama ler.

Quarta: Comecei a ficar preocupada, o André não apareceu e estava começando a achar que ele estivesse com raiva de mim.

Aproveitei o horário que papai estava sozinha e aproveitei para perguntar:

_Cadê o André, pai?

Ele me olhou estranhando a pergunta, mas respondeu:

_Está trabalhando querida... Por quê?Ele combinou alguma coisa com você?

_Não... -respondi sem graça. -Mas é que ele aparece frequentemente e de repente some, some e não aparece!

_Ah... Ele está trabalhando... Ele dá o maior duro para se manter, principalmente depois que os pais morreram.

_Hã?Morreram?Como assim?

_Sofreram um acidente há dois anos.

_Ele não me disse nada.

_Talvez porque não teve ocasião.

_Ocasião teve... Ele não para de conversar um minuto. Ele tem irmãos?

_Filho único.

_E onde ele mora?

_Numa república perto da faculdade. No começo ele morava comigo, mas depois achou melhor se mudar para um lugar mais próximo á faculdade.

_Que triste... Então ele é sozinho no mundo!

_Não é bem assim Mary. André é muito comunicativo, tem muitos amigos.

Já havia percebido mesmo, mas nada comentei com ele.

_Ah... E ele vai participar da ceia de natal com a gente, viu?-Papai avisou.

_Sério?E ele está participando do amigo oculto?

_Hum... Já percebi que não foi ele que você tirou.

_Ah, pai!-Reclamei rindo.

Fiquei um pouco abatida em saber da história de André, tão triste...

A ceia de natal vai ser amanhã, quinta-feira (25/12) e revelaremos o amigo oculto.

Não vejo a hora de chegar logo.

Bjos enormes e feliz natal desde já!!!





segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Noite na sorveteria


Não sabia que roupa vestir, então acabei decidindo por um simples vestido branco.

Carlinhos entrou primeiro e eu fui atrás, a sorveteria estava simplesmente lotada, só havia uma mesa vazia no canto bem próximo ao balcão, fomos para lá.

A primeira pessoa que eu vi foi André, ele estava com um boné marrom na cabeça e era o único sem uniforme.

Ele estava preparando os sorvetes, colocando no copo, passando cobertura e etc...

Carlinhos e eu sentamos, André nos olhou e balançou a mão.

Não demorou muito e uma mocinha loira de uniforme colorido veio nos atender.

_Olá!Já escolheram que sabores vão querer?

_Eu quero de quatro bolas. -Carlinhos foi logo dizendo.

_Carlinhos!-repreendi. -Deixa de gula!

_Eu vou querer quatro bolas e já está decidido... Vou querer morango, chocolate, abacaxi, sonho de valsa...

A moça loira olhou para mim e perguntou:

_Posso trazer o que ele pode ou você vai dar a última palavra?Afinal, mãe é mãe...

_Mãe?-Carlinhos começou a rir.

Eu mal podia acreditar que ela tinha me chamado de velha!Eu?Mãe do Carlinhos?

_Olha aqui querida, eu acho mais fácil eu ser namorada dele do que mãe... Ele tem oito anos!Você por acaso sabe quantos anos eu tenho?-Perguntei tentando manter a calma.

_Desculpe, mas é que tantas adolescentes engravidam novinhas que...

_Sabe de uma coisa Carlinhos?Eu também vou querer quatro bolas.

Fiz o pedido e ela se retirou da mesa.

_Está velha em Mary?-Carlinhos disse rindo da minha cara.

Que ódio!A minha vontade era de ir até André e contar como tinha sido mal atendida. Mas resolvi me segurar e então mantive a calma.

A sorveteria não parava um minuto e de onde eu estava podia ver André correndo de um lado para o outro.

A mesma moça trouxe o sorvete, agradeci apesar de tudo e começamos a tomar, estava delicioso.

Já estava no final do sorvete quando André veio na nossa mesa:

_Olá. E aí?Gostando do sorvete?

_Delicioso.

_Então está jóia, e não se preocupem tudo que vocês tomarem hoje são por conta da casa. -Ele disse se afastando.

Carlinhos começou a rir:

_Satisfeita maninha?

_Hum?

_Ele não deu bola nenhuma pra você.

Olhei para o André que estava em outra mesa cheia de meninas e meninos, eles pareciam muito animados e André ria com eles.

_Carlinhos!Deixa de ser pangaré!Nada a ver... André é um antigo conhecido meu e eu tenho namorado, ta?

_Sei... Deixa o Caco ficar sabendo!

_Carlinhos!!

_Ele pode até não acreditar, mas vai ficar bem desconfiado.

_Para com isso!Você não vai contar nada para o Caco.

_Não, não vou contar... Você é minha irmã né?

_É isso aí...

_E vai me trazer na sorveteria sábado que vem de novo, também vai pagar mais quatro bolas pra mim.

_Nunquinha!

_Então eu acho melhor contar tudo para o Caco.

Fui obrigada a ceder, que ódio!Por que o meu irmão tem que ser um pé na bunda?

A sorveteria já estava vazia quando André caminhou em minha direção e puxando uma cadeira sentou com a gente.

_Tem alguma coisa pra fazer amanhã?-Ele perguntou.

_Não, mas você tem né?Amanhã é domingo, a sorveteria deve dar muito movimento.

Ele me olhou de uma forma estranha.

_Mary... Acho que preciso esclarecer uma coisa.

_Fala.

Ele disse pra Carlinhos e escolher um picolé e então começou a falar.

_Eu sei que você tem namorado, eu não estou te cantando Mary.

_Eu não pensei isso. -Disse sentindo meu rosto corar.

_Eu só estou querendo te fazer divertir, você não conhece mais ninguém aqui... É só isso, não quero que você fique entediada.

_Tudo bem, André. Se é só por isso, obrigada, mas não preciso que você faça esse sacrifício por mim.

_Sacrifício?-Ele riu. -Claro que não. É um prazer estar com você.

Carlinhos voltou com um picolé.

_E então?Vamos?Vou levar vocês no restaurante.

Ficamos de pé.

Já estávamos lá fora quando a moça loira apareceu.

_Você vai voltar André?

Ele pediu para que esperássemos e caminhou na direção dela. Ficaram conversando por alguns minutos, depois ele passou a mão no cabelo dela e a beijou no rosto, percebi que entre eles havia mais do que simples sentimento de amizade.

Ele voltou e voltamos a andar. Estava com muita vontade de contar para o André como tinha sido mal tratada pela garota loira, mas mordi a língua... Não queria fazer fofoca.

Paramos em frente ao restaurante, ele agradeceu e se despediu com um tchau e uma piscadinha de olho. Foi nesse momento que senti uma coisa nova, um arrepio bobo percorrer por todo meu corpo...

Bjocas


sábado, 19 de dezembro de 2009

Preparativos para o natal


Era sábado a tarde, então esperei que papai saísse para ir comprar a enorme estrela que eu tanto queria e subi no telhado.

Carlinhos ficou em baixo observando se ele aparecia.

A minha ideia era enfeitar todo o telhado com pisca-pisca e sabia que papai jamais aceitaria a minha ideia, então resolvi fazer sozinha.

Estava tão ocupada em colocar em prática os meus projetos que tomei um susto quando ouvi uma voz atrás de mim.

_Você quer cair daí garota?

Virei-me assustada e por pouco caia mesmo.

_André!Você está maluco!Quase me derrubou.

Ele estava em cima do telhado logo atrás de mim.

_Eu nem toquei em você.

_Mas me deu o maior susto.

_Onde você está com a cabeça Mary?O seu pai sabe que você subiu aqui?

_Claro que não. E nem precisa saber, pra todos os efeitos foi você quem enfeitou.

Ele riu e eu voltei a fazer o que estava fazendo antes dele me interromper.

_Que lindo!

_Que foi?-Perguntei me virando para ele.

_Olha como a paisagem é linda daqui de cima!

Concordei com ele.

_Tive uma ideia. Não sai daí.

_Claro que não... Ainda não terminei.

Ele desceu e voltou em um minuto com uma máquina fotográfica na mão.

_Você consegue ficar onde estou Mary?

_Claro que sim... É o de menos.

Trocamos de lugar, eu sentei e ele pediu pra que eu sorrisse.

O vento balançava meu cabelo e eu estava super sem graça com ele me olhando tão intensamente.

_Prontinho. -Ele disse com um sorriso.

_Ficou boa?

_Melhor impossível, depois te mostro. Agora eu acho melhor você descer daqui que o seu pai já está chegando... Eu termino pra você.

Obedeci contrariada e corri para papai que acabava mesmo de chegar.

Ele me mostrou a estrela e eu sorri satisfeita.

_Quero ela lá em cima no telhado, bem no meio. E quero que brilhe bastante.

_É melhor eu subir lá pra ajudar André. -Papai disse se afastando.

No final deu tudo certo. Ficou exatamente como eu planejara.

_Obrigada André. Ficou maravilhoso!

_Também né?

Fomos pra cozinha tomar um caprichado café e o André aproveitou para perguntar:

_O que você vai fazer hoje Mary?

_Já tenho compromisso. -Fui logo dizendo. Não queria mais nenhum admirador no meu pé.

_Sério? Com quem?

_Com meu namorado. –Tinha combinado de conversar com o Caco.

_Com a garrafa quebrada?-André perguntou rindo.

Eu não achei graça, mas acabei rindo também.

_Com o meu namorado.

_Ele vai vir para cá, é?

_Claro que não né André?

Ele riu:

_Você tem certeza que não quer ir à sorveteria tomar um sorvete de graça?

Hum... A ideia era tentadora... Se bem que daria tempo de fazer os dois.

_Boa ideia.

_Então está jóia. Te espero lá.

Ele deu aquele sorriso que só ele sabe dar e então senti meu coração bater mais forte.

Que droga! Isso não pode acontecer comigo, eu amo o Caco e já basta o admirador secreto me deixando maluca... Preciso tomar cuidado e me afastar mais de André.

Ele foi embora e eu mal podia esperar à hora de ir logo para a sorveteria...

Continua...


sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Conversa


Para melhor entendimento, leia antes A visita- parte I e A visita- parte II- Recordações




_Por que me pergunta isso?

_Sei lá... Você estava olhando pra mim com um sorriso estranho.

Não pude deixar de rir.

_Que foi?-ele perguntou sem entender nada.

_Nada. Simplesmente nada.

Ele não se conformou muito com a resposta, mas também não quis insistir, então deu partida no carro.

_Como está a Daisy?

_Estudando muito... Esse ano ela presta vestibular. Provavelmente você só a verá no final de dezembro.

_hum.... Já vi tudo...

_Que foi?-ele perguntou desviando a atenção da direção e olhando para mim.

_Nada não. -disse passando a mão no cabelo.

_É aliança de compromisso?

_Sim... Estou namorando. -disse olhando para a mão.

_Como é o nome dele?

Pergunta estranha de se fazer, mesmo assim respondi:

_Caco.

Ele me olhou sério e depois sem conseguir segurar a risada, riu.

_Eu sei que o nome dele é ridículo... Mas não tem nada a ver com ele.

_Caco?Fala sério... Desculpa. -Ele pediu quando viu que eu não estava gostando nem um pouco da brincadeira.

Não disse nada. Fiquei olhando pela janela e pensando em Caco.

_Não quis te chatear Mary, mas também não da pra negar que é um nome bem estranho.

_E você? Está namorando?-perguntei ríspida.

Ele ficou calado, depois de alguns minutos respondeu.

_Eu nunca me apaixonei, e não vou me apaixonar NUNCA.

Senti meus olhos encheram de lágrimas, desviei os olhos rapidamente para outra direção. Meu Deus! Se ele soubesse... Quanto tempo o esperei... Quantas noites sonhei com ele... Ainda bem que mudei de cidade, do contrário estaria hoje sofrendo.

_E então Mary?Você ainda está no colégio?

_Estou. Tenho mais um ano, e não, não tomei bomba, acontece que sou mais nova que você e Daisy.

Ele riu:

_Calma. Eu nem pensei nisso. Mas e então vai fazer vestibular?

_Vou sim. Pra direito.

_Direito?

_Sim, agora estou decidida.

_Legal.

_Você faz faculdade?

_Faço. De fotografia.

_Fotografia?Que legal!

_Já estou trabalhando na área.

_Sério?E você tira fotos de que?

_De tudo, tudo mesmo.

_Muito legal. Então você já está trabalhando?

_Sim. E tem também a sorveteria.

_Sorveteria?-perguntei sem entender. O que tinha a ver sorveteria e fotografia?

_É, eu abri minha própria sorveteria, para ajudar nos gastos da faculdade, isso enquanto eu ainda não trabalhava com a minha área, mas consegui emprego muito rápido... Não quis fechar a sorveteria, a galera gosta tanto de lá.

_Muito legal.

Ele não parou um minuto de falar, chegamos ao restaurante e eu desci do carro.

_Está entregue. -Ele disse olhando nos meus olhos.

Sorri.

_Obrigada, André.

_Eu que agradeço pela agradável compania.

Virei às costas e entrei no restaurante, sem conseguir tirar da minha mente aqueles belos olhos negros.

Bjocas

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

A visita - parte II - Recordações

Para não se sentir perdido, leia A visita- parte I


Era impossível não reconhecer aquela pequena pinta perto dos lábios, os olhos negros, enormes e inquietos.
_Olá Mary?Você se lembra de mim?

"Como poderia não me lembrar?"

_Claro que sim, André.

Ele sorriu:

_Quanto tempo em?

_Pois é... Você ainda se lembra de mim?

_Claro que sim... Ninguém aqui se esqueceu de você Mary.

_Sei...

_É verdade... Principalmente a Daisy, acho que ela foi a que menos esqueceu de você.

Daisy?Uau, como poderia ter me esquecido dela?Éramos amigas inseparáveis!

_Lembra dela?

_Como poderia esquecer?-Menti.

_O seu pai pediu para que eu viesse te buscar, ele não poderá vir.

_Só um minuto então. Vou me trocar.

Subi as escadas correndo e entrei no quarto, estava surpresa demais.

Olhei-me no espelho e então comecei a me lembrar de tudo.

André era o meu primeiro amor, eu era louca por ele, tinha apenas oito anos, mas já era a garota mais apaixonada da cidade. Nunca tive coragem de contar à ele, a única pessoa que sabia era a Daisy.

Como poderia me lembrar de tanta coisa depois de tanto tempo?
Perguntei a mim mesma, quando comecei a me lembrar que o picolé preferido de André era o de uva, seu sorvete favorito era de banana e chiclete só se fosse de língua azul...
Não tinha nada sobre o André que eu não soubesse e agora depois de tanto tempo, continuava me lembrando de tudo.

Ele morava de frente para minha casa. Todos os dias no fim do dia, com o pôr do sol, nos sentávamos na calçada. Daisy e eu de um lado, e André e seus amigos do outro... Naquele tempo eu podia jurar que André ficava me olhando, me admirando e me achando linda... Agora, eu não tenho mais certeza de nada.

Vesti uma calça e uma camiseta preta.

Olhei pela janela e vi um carro estacionado, nada grande, pequeno e com a pintura um pouco arranhada, mas parecia bastante confortável.

Suspirei fundo, as lembranças insistiam em me perseguir.

Era como se voltasse no tempo e então me lembrei do dia em que os meus pais me disseram que iríamos mudar de cidade. Eu chorei, pulei, dancei... Fiz tudo que uma garota de oito anos poderia fazer para mudar os pais de idéia, mas não tinha volta...

Mudei de cidade com os meus pais, no começo estava inconsolável, mas não demorou mais de uma semana e eu já havia feito novos amigos, me esquecendo rapidamente do amor de infância.

_Dizem que o primeiro amor à gente nunca esquece. -Disse pra mim mesma.

Desci as escadas, André olhava pela janela e balançava inquieto a chave do carro na mão.

_Pronto - disse.

Ele se virou surpreso.

_Desculpe. Eu estava com o pensamento tão longe que acabei me assustando com a sua chegada.

_Tudo bem, André. Não precisa pedir desculpas.

_Então vamos?

_Claro.

Caminhamos em direção ao carro, ele sorriu.

_O carro não parece nada com o do seu pai, mas eu garanto que ele anda.

Eu ri:

_Não se preocupe André, não ligo muito para coisas materiais.

_Não acredito muito nisso.

_Não?

Entrei no carro.

_O seu pai fez essa piscina só porque vocês viriam para cá.

Eu ri, ele riu também.

Só então reparei como era lindo.

Sua pele morena bem bronzeada, os olhos pretos e grandes, o sorriso branco, os lábios carnudos e vermelhos. O corpo visivelmente sarado e um olhar sedutor.

Ele me olhou:

_O que está pensando?-Perguntou.

Meu Deus! Eu estava do lado de um deus grego!


Continua....

Template by:

Free Blog Templates